Login

Contato

Por favor digite seu nome
Por favor insira seu email. Email inválido.
Por favor escreva sua mensagem
Busca - Categorias
Pesquisar - Contatos
Pesquisar - Conteúdo
Busca - Fonte de Notícias
Pesquisa - Marcadores

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 
O Gavião-carijó Rupornis magnirostris é uma ave da família Accipitridae. Ocorre do México à Argentina e em todo o Brasil. Também é conhecido pelos nomes de anajé, gavião-indaié, gavião-pinhel, gavião-pega-pinto, inajé, gavião-pinhé, indaié, pega-pinto e papa-pinto.
  • Nome popular: Gavião-carijó
  • Nome inglês: Roadside Hawk
  • Nome científico: Rupornis magnirostris
  • Família: Accipitridae
  • Habitat: Ocorre do México à Argentina e em todo o Brasil.
  • Alimentação: Sua ampla distribuição geográfica também se reflete nos seus hábitos alimentares generalistas, pois consome desde insetos até aves e lagartos. Procura os abrigos diurnos de morcegos para atacá-los enquanto dormem. Ataca ninhos de outras aves e por isso é ferozmente perseguido por Suiriris, Bem-te-vis e Tesourinhas.
  • Reprodução: Constrói o ninho de gravetos revestido por folhas com cerca de meio metro de diâmetro, geralmente no topo de uma árvore grande. As fêmeas apresentam os dois ovários desenvolvidos, em vez de apenas o esquerdo como as outras aves. A postura de em média 2 ovos é depositada sobre um revestimento de folhas secas e incubada pela fêmea. Durante este período de cerca de um mês, a fêmea é alimentada pelo macho. Os ovos são geralmente manchados, de cor muito variável, até dentro de uma mesma postura. Quando está reproduzindo pode tornar-se agressivo, atacando até mesmo seres humanos que se aproximem de seu ninho.
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Foto – Afonso de Bragança
Gavião-carijó
Foto – Afonso de Bragança
Gavião-carijó

Características:

Pesa de 250 a 300 gramas e mede de 31 a 41 centímetros de comprimento, sendo os machos menores que as fêmeas. O peito é ferruginoso e apresenta largas estrias verticais. O ventre e as pernas são brancos, com primoroso barrado ferrugíneo. A base da cauda é branca, mas vai se tornando barrada em direção à extremidade. Existem duas listras negras bem visíveis na extremidade da cauda. Quando em voo, suas asas são largas e de comprimento médio. Bico recurvado escuro com cere amarela. A íris é clara. Os tarsos e pés são amarelos e apresentam garras escuras, a coloração básica da parte inferior das asas é o bege estriado com finas listras escuras.
Possui doze subespécies:
  • Rupornis magnirostris magnirostris (Gmelin, 1788) - ocorre na Colômbia e no oeste do Equador até as Guianas e na Amazônia brasileira;
  • Rupornis magnirostris griseocauda (Ridgway, 1874) - ocorre no México até o noroeste da Costa Rica e no oeste do Panamá.
  • Rupornis magnirostris conspectus (J. L. Peters, 1913) - ocorre no sudoeste do México (nas regiões de Tabasco e na Península de Yucatán) até o norte de Belize;
  • Rupornis magnirostris sinushonduri (Bond, 1936) - ocorre em Honduras, nas ilhas de Bonacca e Roatán;
  • Rupornis magnirostris petulans (P. L. Sclater & Salvin, 1869) - ocorre no sudoeste da Costa Rica e no oeste do Panamá e nas ilhas adjacentes;
  • Rupornis magnirostris alius (J. L. Peters & Griscom, 1929) - ocorre nas Ilhas Pérola (San José e San Miguel) no Golfo do Panamá;
  • Rupornis magnirostris occiduus (Bangs, 1911) - ocorre no oeste da Amazônia brasileira, no Peru e no norte da Bolívia;
  • Rupornis magnirostris saturatus (P. L. Sclater & Salvin, 1876) ocorre no sudoeste do Brasil até o Paraguai, Bolívia e no oeste da Argentina;
  • Rupornis magnirostris nattereri (P. L. Sclater & Salvin, 1869) - ocorre no nordeste do Brasil até o sul do estado da Bahia;
  • Rupornis magnirostris magniplumis (W. Bertoni, 1901) - ocorre no sul do Brasil até o nordeste da Argentina, na província de Misiones e na região adjacente do Paraguai;
  • Rupornis magnirostris pucherani (J. Verreaux & E. Verreaux, 1855) - ocorre no Uruguai e no noroeste da Argentina ao sul da Província de Buenos Aires;
  • Rupornis magnirostris gracilis (Ridgway, 1885) - ocorre nas ilhas de Cozumel e Holbox ao largo da Península de Yucatán.

Comentários:

Costuma voar em casais, fazendo movimentos circulares enquanto os dois vocalizam em dueto. Possui o hábito de utilizar o mesmo poleiro de caça por longo tempo (dias e até semanas). Adapta-se a regiões urbanizadas.
Foto – Afonso de Bragança
Gavião-carijó
Foto – Afonso de Bragança
Gavião-carijó
Referências Bibliográficas: FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec - Ecologia Técnica Ltda. │SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997 │ Wikiaves
Topo